Procure no Apolo11
Terça-feira, 9 jun 2020 - 10h13
Por Rogério Leite

Concentração de dióxido de carbono é a maior já registrada na história

A concentração de dióxido de carbono registrada na atmosfera atingiu 417.1 ppm em março de 2020. Esta é a maior leitura mensal de CO2 atmosférico já registrada desde que as medições começaram, em março de 1958.

Gráfico mostra a concentração de dióxido de carbono, CO2) desde 1960 até o ano de 2020.
Gráfico mostra a concentração de dióxido de carbono, CO2) desde 1960 até o ano de 2020.

O número foi divulgado pela NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration, dos EUA), com base em registros feitos diariamente pelo Observatório de Mauna Loa, no Havaí, além de amostras de ar de uma rede de centenas de observatórios ao redor do mundo. Segundo o órgão, este número supera em 2.4 ppm (partes por milhão) o valor registrado no ano de 2019, quando a concentração de CO2 atingiu o pico histórico.

"O progresso na tentativa de redução das emissões de CO2 nos últimos tempos não é visível nos registros", disse Pieter Tans, cientista sênior do Laboratório de Monitoramento Global da NOAA.

Continua após a publicidade


Devido à retração econômica causada pela pandemia global da Covid-19, as emissões diárias de CO2 na maioria dos setores humanos foram muito menores em 2020. No entanto, isso não se reflete na medição feita em Mauna Loa e pode não fazer nenhuma diferença a longo prazo. Segundo Tans, embora a redução tenha sido dramática nos meses de março, abril e maio, não é uma tendência de longo prazo e com a flexibilização das medidas de bloqueio é improvável que seja continuada.

Para Ralph Keeling, que dirige o programa de Oceanografia Scripps em Mauna Loa, muitas pessoas podem se surpreender ao saber que a resposta ao surto de coronavírus não contribuiu para baixar os níveis de CO2. “O acúmulo de CO2 é parecido com o lixo em um aterro sanitário. À medida que continuamos emitindo, ele continua se acumulando. A crise apenas diminuiu as emissões por um tempo, mas não o suficiente para ser perceptível em nossos registros", explicou Scripps.

Observatório de Mauna Loa, no Havaí, referência para a emissão de CO2 no hemisfério norte.
Observatório de Mauna Loa, no Havaí, referência para a emissão de CO2 no hemisfério norte.

Dióxido de Carbono
O CO2, ou dióxido de carbono, é de longe o mais importante dos cinco principais gases do chamado efeito estufa: dióxido de carbono, metano, óxido nitroso, monóxido de carbono e ozônio. Quando as primeiras amostras de Mauna Loa foram analisadas em 1958, o CO2 já havia subido 35 ppm acima do nível pré-industrial de 280 ppm. Atualmente, junho de 2020, o nível atingiu 417 ppm.


Observatório Pioneiro
O estudo da concentração de CO2 é feito pela NOAA, que captura e analisa amostras de ar de uma rede de observatórios ao redor do mundo. Um desses postos de observação está situado no topo do Monte Mauna Loa, no Havaí, e é a referência para o estudo da emissão de CO2 no hemisfério norte. Mauna Loa é o mais antigo observatório deste tipo e também o que mais registros produziu.

Ali, as observações começaram a ser feitas em março de 1958, quando o cientista David Keeling, na época ligado ao Scripps Institution of Oceanography, começou a medir o CO2 atmosférico. O gráfico resultante das análises de Keeling passou a ser chamado de Curva de Keeling.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.




Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2024

"Se só por piedade se dessem esmolas, os mendigos estariam mortos de fome" - Nietzsche -