Procure no Apolo11
Terça-feira, 21 jul 2020 - 10h50
Por Rogério Leite

Vídeo: NASA mostra como seria o pôr do Sol em outros mundos

Devido à diferença de composição química das atmosferas, o pôr do Sol em planetas e luas distantes não é exatamente igual ao da Terra. Para verificar isso, pesquisadores modelaram como seria esse evento em outros mundos e criaram uma comparação científica bastante interessante.

Pôr do Sol em Marte, como registrado pelo Jipe-Robô Opportunity, da Nasa.
Pôr do Sol em Marte, como registrado pelo Jipe-Robô Opportunity, da Nasa.

Uma das próximas missões da NASA inclui um sobrevoo bastante rasante ao planeta Urano e Geronimo Villanueva, da Universidade Católica da América, está trabalhando nesta missão com o objetivo de investigar como a atmosfera uraniana espalharia a luz do sol.

Para isso, Villanueva criou diversos modelos comparativos com a intenção de aferir o que se sabe sobre simulações e compara-las com aquilo que as câmeras a bordo da nave irá registrar. Se uma sonda futura enviar imagens com aparência diferente, os astrônomos saberão que é o momento de reconsiderar o que pensamos atualmente sobre a composição química de Urano e como esses gases se comportam.

Continua após a publicidade



pôr do Sol em outros mundos
Em seu trabalho, Villanueva se uniu a James Tralie, do Goddard Space Flight Center, da NASA, e juntos fizeram diversas simulações do pôr do sol visto através do hidrogênio, hélio e metano da atmosfera superior de Urano. Além disso, aproveitaram para simular o nosso familiar entardecer sob diversas condições, além de Marte, Vênus e Titã.

Os pesquisadores também fizeram uma simulação de como seria o ocaso no exoplaneta TRAPPIST-1e, o mais interno dos três planetas desse sistema. De acordo com Villanueva e Tralie, as simulações reais da Terra e Marte ajudam a verificar a precisão das simulações dos outros objetos.

O resultado do trabalho pode ser visto neste vídeo, que mostra os diversos eventos simulados.

Naturalmente, o pôr do sol da Terra visto no vídeo não se parece com o que estamos acostumados a ver, porque essas imagens são como o céu pareceria através de uma lente grande angula. Qualquer sonda com destino a Urano deve estar equipada com várias câmeras a bordo e é bem provável que pelo menos uma delas esteja tentando registrar o máximo de campo de visão possível enquanto faz o mergulho final.

No caso de TRAPPIST, conhecemos apenas as características fundamentais de sua estrela, que é uma anã vermelha, e também as distâncias dos planetas a ela. Embora isso nos diga o quão brilhante a estrela se apresentaria e quais as cores dominantes, não sabemos nada sobre a composição química da atmosfera do TRAPPIST-1e, ou mesmo se ela possui alguma, o que poderia fazer uma diferença substancial para a aparência do pôr do sol. Desta, esta parte do vídeo tem mais adivinhações do que as demais simulações.

Vale como exercício de pensamento!

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.




Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2024

"Se só por piedade se dessem esmolas, os mendigos estariam mortos de fome" - Nietzsche -